top of page
Buscar
  • Atrativa Marketing Digital

O passado é digital. O futuro, social.

Atualizado: 1 de ago. de 2020

O Marketing Digital e a realidade que está por vir.


O Marketing Digital já é uma realidade há mais de 20 anos e a gente continua ouvindo algumas pessoas dizendo que “o futuro é digital”. É bom acordar, pessoal, o passado é digital! O futuro é inteligente, automatizado, eficiente e social.



Por isso seremos diretos: se tu não está investindo em marketing digital, existem grandes chances do seu negócio não dar certo nos próximos anos. E com esta pandemia mudando drasticamente os hábitos de consumo, talvez meses. Por isso, se tu não está investindo ou pensando em investir o quanto antes em tráfego digital - seja ele orgânico ou pago - você está fadado ao fracasso.


Mas, o marketing do futuro irá além do “big data” e das soluções baseadas em dados demográficos e de interesse do público. O marketing precisará oferecer produtos personalizados individualmente, especialmente moldados, que antecipem e satisfaçam todos os desejos de cada indivíduo antes mesmo deles terem certeza se realmente precisam do produto tão inteligentemente apresentado. Isso representa a face tecnológica e automatizada do marketing, mas e a parte humana? Aqui residirá o maior diferencial do marketing digital no futuro mas, antes de falarmos mais sobre isso, vamos rever rapidamente como chegamos até aqui.


Tudo mudou em 1450 quando o alemão Johannes Gutenberg inventou a prensa móvel, o que desencadeou a produção textual em grande escala. O impacto causado pelo desenvolvimento da impressão em massa é enorme e amplamente discutido. O acesso do público em geral a palavra impressa, por exemplo, impulsionou a democratização do saber e lançou as bases materiais para a moderna economia do conhecimento.



Com a chegada da impressão por prensa de tipos móveis iniciou-se então a era da comunicação em massa, que alterou completamente a estrutura da sociedade. A informação atravessou fronteiras com dogmas, teses, teorias, causas e ideologias com uma velocidade jamais vista antes, o aumento vertiginoso da alfabetização quebrava o monopólio de uma elite letrada e surgiu a classe média emergente.


E é claro, foi a prensa de Gutenberg que possibilitou o surgimento dos primeiros anúncios impressos. A forma mais tecnológica, moderna e impactante de marketing daquele período. A publicidade era feita de uma forma que costumamos chamar hoje de “outbound marketing” quando o anunciante tenta vender o produto antes de criar qualquer vínculo com os clientes.


Outdoors, posters, anúncios de revistas e jornais, anúncios em mídias tradicionais como rádio e televisão, por exemplo, se enquadram no formato “outbound”.


Com o passar do tempo outros meios de comunicação surgiram com invenções tão significativas e revolucionárias quanto as da prensa móvel. Estamos falando do telefone, do rádio e da televisão. Cada um em seu período e impulsionado por realidades sócio temporais condizentes com suas épocas de surgimento, estas ferramentas de comunicação em massa revolucionaram o modo de vida e de consumo de praticamente todo o globo. E o marketing e a publicidade, claro, procuraram encontrar maneiras de aproveitar o potencial de cada um deles.


O poder e alcance destas mídias são tão grandes e comprovados que estes veículos são usados até hoje em campanhas de marketing dos mais variados escopos e orçamentos.


Depois do surgimento da televisão, que começou a ser produzida em massa em 1930 na Europa, foi preciso esperar algumas décadas para que outra revolução nos meios de comunicação ocorresse. Mas ela veio em abril de 1973, quando ocorreu a primeira chamada por celular. Depois, em 1981 a IBM apresenta o computador pessoal e em 1984 o icônico Macintosh é lançado pela Apple. E então, na década de 1990 aconteceu o boom da internet. Agora acessível a todos e não somente para uso exclusivo dos militares e industriais como era em sua origem. Em 10 anos quatro grandes marcos históricos que moldaram completamente o futuro. De 1990 em diante inovações tecnológicas surgiram cada vez mais rápidas e todas elas foram sendo incorporadas, de uma maneira ou de outra às ferramentas do marketing.


Com o aparecimento dos mecanismos de buscas surge o SEO (Search Engine Optimization) ou marketing para buscadores. A partir dos blogs nasce o marketing de conteúdo. Com o surgimento e o impacto do “fenômeno” facebook se apresentou o marketing de redes sociais. Com a popularização do youtube entra em cena a incorporação de vídeo ao marketing. Com as redes móveis totalmente difundidas surge a necessidade da responsividade no webdesign.


Atualmente o Inbound Marketing ou Marketing de Atração é a grande tendência para atender às demandas dos consumidores que nascem e crescem cercados por estas mídias e tecnologias. São pessoas que estão sempre interessadas em aprender e entender tudo, ou quase tudo, sobre um determinado assunto ou produto, antes de tomar alguma decisão de compra. E é através do Inbound Marketing que é possível criar vínculos com os clientes educando-os, apresentando soluções e gerando valor para a marca através da informação.


Claro que mídias e formatos tradicionais de marketing continuarão tendo o seu valor, mas a velocidade, o entendimento e a utilização das novas tecnologias e tendências irão determinar a sua vantagem sobre os seus concorrentes.


O que nos leva ao momento atual. O futuro do marketing digital. Onde as marcas precisarão cativar ainda mais o seu público em um mar de possibilidades, informações, concorrentes e experiências de compras. E para isso precisaram ir fundo para se relacionar e serem reconhecidas como uma marca que atua em causas sociais e/ou ambientais e com valores positivos bem definidos.


Já é possível constatar que marcas relacionadas com algum tipo de causa se destacam em relação àquelas não se identificam com nenhum tipo de bandeira. Isso porque as pessoas sentem-se melhores ao se relacionarem com marcas mais “humanas”.


É importante dizer que por “causa” não queremos dizer exclusivamente uma bandeira como o greenpeace ou black lives matter, e por “humanas” não nos limitamos a pensar no recolhimento de máscaras de proteção ou cestas básicas para doar aos mais necessitados.


Pensamos que as marcas precisam ser empáticas, solidárias, sociais e mutáveis nestes sentidos. Esses valores entretanto, devem aflorar de dentro pra fora. Com valores empresariais fortes e bem definidos que transbordam com empatia, solidariedade e senso de comunidade fica muito mais fácil de externar isso com honestidade. E as pessoas percebem isso muito bem.


Aqui na Atrativa acreditamos exatamente nisso. Trabalhamos para possibilitar a comunicação e o marketing digital de forma assertiva, desenvolvendo campanhas, produtos e conteúdos com inteligência estratégica, atendimento personalizado, agilidade e foco no relacionamento entre marcas e clientes. Utilizamos o conhecimento através das mais modernas formas de tecnologia para desenvolver uma comunicação eficiente e atualizada, para atender e superar as mais diversas demandas e expectativas dos nossos clientes e parceiros. E buscamos fazer isto da maneira mais humana, empática e solidária possível.


Acreditamos que este seja não somente o futuro do marketing, mas sim de uma sociedade mais evoluída, interessada no bem estar coletivo e em ações potencializadoras deste bem estar, e claro, sem perder de vista as oportunidades que cada nova tecnologia e tendência possa vir a ser usada pelo marketing do bem.



Se você tem interesse em ler uma matéria mais detalhada sobre a história do marketing sugerimos este post da Rock Content (https://rockcontent.com/blog/origem-e-evolucao-do-marketing/) este post está excelente e é uma ótima leitura sobre o tema.


44 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

VÍDEOGRAM?

Comments


bottom of page